O melhor Tarô

Imperatriz - Clássico-Moderno
Imagem: Marseilles Fournier Tarot Decks Raider-Waite Tarot de: E.A.Waite e Pamela C.Smith - US Games

Atualmente encontramos algumas centenas de Tarôs no comércio especializado. E aqueles que estão pensando em adquirir um acaba em dúvida sobre qual investir. Se há um Tarô melhor ou mais moderno e atualizado, que seja mais indicado para iniciar os estudos e as práticas. A princípio indicamos os Tarôs com símbolos e imagens tradicionais... Mas quais seriam estes? 

Didaticamente os Tarôs são classificados em alguns tipos, de acordo com o perfil simbólicos que apresentam: Clássico, Moderno, Transcultural e Surrealista.
 
Possuem um perfil Clássico os Tarôs criados entre 1400 /1900 ou que seguem a linha deste período - dito por alguns como Padrão Marselha. Mesmo o bom e velho Marselha um dia também foi moderníssimo! 

Os Tarôs Modernos surgem com ao advento das novas tecnologias da área gráfica do séc. XX, sendo encarado como uma re-estilização dos Clássicos. Para fins de entendimento da linha cronológica, se diz que estes foram instaurados com o Tarô de Arthur Edward Waite,(1909/1910) desenhado por Pamela Smith: o Tarô Rider-Waite. Ou Smith – Waite?
 
Justiça seja feita, confira os artigos de dois Leonardos: Chioda e Dias #recomendo!
 
Bem, de agora em diante vou me referir ao Rider-Waite como Smith-Waite. Podemos dizer que este fabuloso conjunto, o mais clonado dos últimos tempos, agora centenário, pode ser encarado como um Clássico. Voltando à vaca fria, os Modernos seguem traços de criação livre em estilo, porém preservam as fontes simbólicas tradicionais em adereços e ornamentos. Do mesmo período temos o Le Tarot Adivinhatorie de Gabriel Goulinat e Papus (1909), que também é visto como Moderno.

Por volta de 1970, surge uma linha estruturada noutra concepção de criatividade, mas resguardada nos Clássicos, o Tarô Transcultural ou Etnológico, baseado na mitologia de um povo. Temos como exemplos o Tarô Egípcio da Kier, o Tarô Mitológico de Juliet Sharman-Burke e Liz Greener, entre outros.

Imperatriz-Transcultural - Fantasia imagem: Mitologic Tarot Deck e Osho Zen Tarot

Em 1975 surgem os Tarôs Surrealista ou Fantasia, que são baseados nos Clássicos e nos Modernos, e deixam a visão simbólica tradicional à parte, mas enfatizam a livre criação artística, o Tantric Tarot e o Osho Zen Tarot. A partir de 1980, surge algo que possivelmente poderá deformar o que é o Tarô quanto a preservação simbólica e estrutural. De Nei Naiff, página 24 do Volume II dos Estudos Completos de Tarô - Tarô Vida & Destino - da Editora Elevação, este trecho oportuno:

[…] infelizmente, no fim do século XX, por causa da imensa liberdade de pensamento e criação artística com que o símbolos do tarô foram ilustrados, eles sofreram deformações em suas imagens – embora alguns digam que a imagem do arcano está evoluindo, eu observo que está fragmentada. 

Quem pensa em iniciar nos estudos, que adquira um Clássico #dica. Com o tempo certamente você encontrará um tipo que lhe agrade mais. Saiba, não há Tarôs melhores, diferentes ou mais poderosos… o que se encontra no mercado tem a mesma fonte simbólica, independente da criação artística. Atente a algumas concepções que levam o rótulo de Tarot, que em verdade não tem a estrutura própria do mesmo, e causam confusão a quem está se lançando às artes do Tarô.
 
Quanto as literaturas em geral, há umas melhores elaboradas que outras, autores mais didáticos por assim dizer, e outros nem tanto. Ler, discernir, escolher e seguir. Boa jornada Viajante.
P5JAAEXWNEV4

Comentários

  1. Muito bacana, o seu texto versa de maneira didática sobre algo que venho pensando há muito tempo.
    Depois de conhecer o Tarot da Barbie (!) (risos), realmente concordei com o Nei Naiff...
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Emanuel,
    apesar do bug nos comentários do Blogger, que espero seja resolvido em breve, tem muita coisa com nome de Tarot... Rir para não chorar.

    ResponderExcluir
  3. Concordo, e muito bom frisar essas diferenças e a necessidade de saber escolher pra quem começa, porque a coisa ta demais: e barbie, senhor dos aneis, cats, e por ai vai, muito bom pra colecionar, obras de arte.MAs...
    Besos!

    ResponderExcluir
  4. Senhor da Vida,
    nada tenho contra a criação artística na área, mesmo sabendo que boa parte destes não são "esotéristas", mas a degradação simbólica é grande, criando uma anarquia que está se distanciando daquilo que é Tarô, na sua base e estrutura.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Viajante,

sugestões e críticas são bem-vindas.
Concorde ou discorde, jamais ofenda.
Leia antes nossa Política de Comentários.

Não realizamos: interpretações de jogos, combinações de cartas e atendimentos.

Deixe registrado aqui o seu melhor!

Ahlan wa Sahlan!!