Sobre cobrar atendimentos

Árvore de dinheiro

Viajante! Eis um tema que ainda gera polêmica e #mimimi: cobrar ou não atendimentos de Tarô ou similares. Uma amiga comentou que numa certa novela, há certa personagem cartomântica que não cobra por seus atendimentos divinatórios na trama. O certo é que na ficção tudo é possível, mas na vida real, de certo há controvérsias. Faz quem pode, segue quem quer! Dinheiro é facilitador, uai! Que atire a 1ª pedra quem nunca estourou o limite do cartão de crédito...

Reconstruo a seguir a resposta que dei numa comunidade do Orkut: Baralho Cigano - Petit Lenormand de Alexsander Lepletier, que também é proprietário do blog LENORMANDO. #recomendo! Era uma simples resposta a alguém que tinha dúvidas arraigadas em outros contextos: se devia cobrar ou não por seus atendimentos... Comentários são eternamente bem-vindos!

Amor ao próximo não tem preço...
E o ônus para se praticar esse amor?

Para exercitá-lo, tens que investir monetariamente em ti. Executar de bom grado aquilo que te compromete a fazer por teu próximo. Cobrar não é equívoco espiritual, usura ou ganância, mas prudência, a meu ver. Ser bom e fazer o bem são coisas distintas... Huberto Rohden.

Cobre de acordo com a tua consciência, ou de acordo com as posses daqueles que te procuram em momentos de angústias e incertezas. Mesmo que uns retornem, nem tanto para expressar gratidão; ou te procurem em horas inconvenientes; ou sequer voltem a procurar por ti... mas não deixes de cobrar.

Entenda que muito na vida funciona como via de mão dupla. Não há aquele tão rico que não necessite de algo, como aquele tão pobre que não tenha o que dar. Uma roseira só retribuirá com seus botões se receber luz e água e, quando podada, é uma dádiva!

Mãos e trocas

Evite sim! ver pesos materiais nas trocas. Enxergue a recompensa de saber dar o que pode de melhor e de saber receber o que cada um pode de melhor ofertar. Não é a quantidade expressa, como fez certa viúva com seu óbolo no gazofilácio. O processo é qualitativo!

Como igualmente não faças com desdenho se pouco ou nada cobrar de alguém. Dê o melhor de ti, como se pago fosse com o teu peso em ouro! Pois altruísmo não se faz como granel de varejo. É aconselhável por vezes não servir, do que a servir sem profundidade, sinceridade, ética, e comprometimento.

Valorize tuas capacidades! ponha limites para ti e para quem te procura, e assim teu desgaste físico e energético não te será extenuante ou sem fundamento. Podemos doar nosso tempo, atenção, carinho e amor através daquilo que entendemos por dons natos ou desenvolvidos. Desconheço ainda se há Lei no Universo que imprima restrição sobre não doar-se incondicionalmente. Mas não há erro em cobrar. Erro, a meu ver, seria arrepender-se de fazer assim ou não. 

Observe caso a caso, momento por momento e faça o que te alarga a alma e regozija teu coração naquele dia. Cobre sem medo! mas nada impede de doar-se… Porém não permita que te façam de bobinho, bancando o bombonzinho
 
Existe outro entendimento que possuo e pode ser que te sirva: teu Espírito conquistou tudo o que tens ou julgas possuir, entre incontáveis ciclos de evolução, com esforço, correção, descidas e subidas. 

A Graça de poder servir não nos foi dada de graça ou impunemente como apregoa algumas cantilenas da pieguice popular. Se tiveres nesta vida dons, fez por onde os ter, mesmo que ainda não tenhas o conhecimento pleno de tais. Doação é a entrega daquilo que flui abundantemente de tua alma. Compartilhar posses é outra história, que entendo por desapego. Não receie de cobrar! mas observe o como cobrar. A isto entendo razoável discernir sempre!

Doação

Ajunto outro ensinamento que diz: “Faze a ação com amoroso desprendimento, não desejando os frutos da recompensa ou reconhecimento”. A vida proporcionou-me esta constatação: não há trabalho em amor que o Universo não te patrocine em boa colheita. A isto também não nos cabe fugir, pois faz parte da Lei.

Basta entender que nunca saberá o dia, o momento, nem de que forma virá a benção do retorno. Por isso, por ela, não faça no agora, aguardando para o amanhã a certeza da recompensa divina ou holofotes para o ego externo. Nem alimente expectativas de transbordar a tua taça ou o abarrotar da tua algibeira... quando fizeres, faze em pleno silêncio! e esquece, que tudo virá por acréscimo. Não crê cegamente no que digo e sim naquilo que comprovares como bom e certo para ti! 

A vaidade, o orgulho e a pressa são cicutas autoimpostas para o crescimento espiritual. Entenda, não há causa sem efeito, nem mesmo na omissão! Não há lei de efeito sem causa, pois toda colheita será obrigatória, daquilo que semeastes por opção! Seja qual for a qualidade, quantidade e intenção de tuas sementes. O que tens acumulado em teu celeiro?
 
Tudo na vida gera carma! mas podes escolher qual tipo de carma estarás criando para ti e para o teu próximo. Aí a escolha é tua, jamais de outrem. Nem do Cara lá de cima!

Cobra por teu tempo, estudos e investimentos materiais que utilizaste e ainda utilizas para teres chegado a este ponto de preparo... põe, que seja, um preço simbólico! respeita o livre-arbítrio dos envolvidos e que nisto esteja o respeito ao teu próprio poder de escolha, que é o que deixa tua alma tranquila, segura e contente no realizar de tuas potencialidades. E cobra sem receios...

Aprendi em minhas andanças que todo aquele que paga sente-se mais confortável na própria autoestima e valoriza o que buscou e recebeu. Podendo além de retornar às tuas vistas, indicar-te como justo e capaz a outrem, devido a tua sobriedade nos sortilégios. Não existe fatalismo em adivinhação. Por mais aterrador que seja um vislumbre simbólico, tens nas próprias Lâminas o como preparares aquele que te ouve sobre o tal revelado: o conselho!

O grande lance do futuro é que ele muda cada vez que você olha para ele; justamente porque você olhou para ele… e isso, muda todo o resto. (Do filme: O Vidente)

Vidente

Quanto aos carmas ruins que podemos ou não gerar cobrando, repito mais às claras: vai mais da sintonia e frequência que tens com as energias que te comprometes ao realizares tuas capacidades, do que cobrar ou não. Pois estarás amoedando teu justo serviço, jamais comprando com ele aquilo que não te pertence: as boas ou más obras do teu consulente. 

Outro apontamento que julgo pertinente é que faças como puder e souber as tuas autodefesas psíquicas e energéticas. Sejam através das tuas crenças e/ou arranjos físicos, para que não te sintas abalado e extenuado com possíveis impregnações do acompanhamento denso de quem quer que seja. Não é sábio nem caridoso ser esponja astral do alheio, retendo energias de baixas frequências, que não te são benéficas e/ou compatíveis com a tua vibração pessoal.
 
Creio que temos os nossos próprios fardos, mas sempre poderemos ajudar a aliviar os dos outros. Porém carregar o fardos alheio é sofrimento que não te cabe, e acabarás descuidando do teu próprio caminho, além de atrapalhar o caminhar do outro. Caindo nos laços da vaidade e não do desapego. Não te torna escravo de teu próprio orgulho!

Cuide com amor das tuas obras! Trate para que aquele que sair de tua presença siga melhor do que chegou. Evite, sempre que possível, a excessiva preocupação de acertar ou errar os sortilégios. Tendo uma boa base de estudo, raramente isto virá a te ocorrer. Pois o estudo é fundamental nesta jornada abraçada. Lembre-te que és tão humano quanto aquele que te procurou. Siga fazendo o teu melhor!

Não és de todo espírito ou matéria neste mundo! de aprovação e expiação, mas és uma alma que transita pela experiência da existência manifestado na forma. Em todo caso, se te convém não cobrar, assim o faça! pois só ousando seguir no que acreditas e comprovado por ti como verdadeiro bem, poderás te tornar um com o Universo e contigo mesmo!

Comentários

  1. Fiz uma postagem sobre o mesmo tema em meu blog. Dê uma passadinha por lá...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Emanuel,
    obrigado pela apreciação! Confira lá! Abraços;

    A.:.S

    ResponderExcluir
  3. Sem palavras, concordo plenamente:
    Pra quem nao tem a gente ate da algo que a pessoa esteja necessitando, nem que seja uma apalvra de consolo.
    Para os demais segungo as suas possibilidades.
    Lembrou o arcano 6 de ouros: tudo na vida é uma troca, e se repararmos em algumas laminas, o homem que doa dinheiro, tem uma balança em uma das maos, falando justamete disso:
    Saber o que dar, pra quem dar.
    É o caso da nossa profissao.

    ResponderExcluir
  4. Perfeita analogia Senhor da Vida!
    Obrigado pelo comentário e a percepção descrita.
    Bom fim de semana;

    A.:.S

    ResponderExcluir
  5. Oiê!
    Ô, meu herege favorito, parabéns pelo texto!

    Bjs!

    Anita.

    ResponderExcluir
  6. Anita,
    obrigado! Que satisfação sua visita cara Pagã!
    Espero te encontrar no Fórum!

    ResponderExcluir
  7. Fabuloso!
    Eu tenho o Tarot desde 2008, porém tenho resistência em prosseguir com os seus estudos justamente por este assunto: cobrar ou não.
    Seu post me esclareceu demais e jestou ponderando retomar meus estudos.
    Muito obrigada!

    Sibelle

    ResponderExcluir
  8. Sissi Kutis,
    que satisfação me dá seu comentário, e igualmente por seguir nossos artigos!
    Bona Ventura nos passos do caminho.
    Siga sem pressa e com carinho, pois este vírus-Tarô é assim mesmo!

    "O momento mais escuro da noite é justamente aquele que precede o amanhecer."

    Um ótimo domingo e uma excelente vida!

    ResponderExcluir
  9. Opa, como vai? se sugestões podem ser bem vindas, ai vou eu.
    Você sabe que muito mais que o conhecimento, oq mais conta numa consulta de cartas é a famosa INTUIÇÂO, ne?
    intuição nada mais é que uma ligação sua com o seu EU superior, SAG (sagrado anjo guardiçao), seu ESPIRITO SANTO, seu ORIXA, etc.... existe vários nomes para isso, depende da religiçao, mas no final das contas é a mesma coisa.
    um exemplo dessas ligações (intuições) é aquelas famosas historias de pessoas que por alguma "coincidencia" deixa de pegar um voô, um onibus, enfim, e descobre que se ele tivesse pego teria se dado mto mau. então é isso, intuição é seu subconciente que esta ligado com o divino tentando te ajudar, te previnir de coisas ruins e principalmente, TE AJUDAR A CUMPRIR OQ VC VENHO CUMPRI AQUI NA TERRA, é ae que entra o tarot, ele serve para ajudar em nossa evolução, superar problemas e até mesmo previnir...

    Usar um conhecimento que poucos tem privilegio de entender para fins lucrativos eu acho que é fazer mau uso do que o destino te deu.

    essa é minha humilde opniao, eu estudo ocultismo, magia, tarot, astrologia, faço parte da umbanda, enfim, entao eu sei oq eh usar o dom para ganhar dinheiro...

    Aposto que vc tem talentos em outras areas, quem sabe até mesmo psicologia, ja q vc ajuda tantas pessoas com conselhos e lendo cartas..... mas pegar o tarot q serve para AJUDAR, usar da INTUIÇÂO que é uma energia que te auxilia para COBRAR das pessoas.... eu acho isso errado. admito que é uma maneira fácil de ganhar um dinheiro por fora, mas tbm isso empata sua vida... se vc ler isso de forma emocional talvez vc nao entenda, mas tenta refletir, é só pensar "pra que o tarot serve" e "oq eu faço com esse conhecimento?"

    so nao esqueça que ajudar vc pode ajudar de graça, e na parte financeira aposto q existe varios outros talentos que vc tem ou q vc deveria ter se vc nao estivesse dependendo desse dom q vc tem.

    alexwebsalto@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. se caso esse post eh referente à quem cobra e nao necessariamente vc, nao leve de forma pessoal.

    ResponderExcluir
  11. E as opiniões divergem... E o oráculo segue.
    Como o oráculo não tem absolutamente nada a ver com religião - o mithos antecede o logos, mas o logos, nesse caso, tem emergido com certa força (graças a Deus, perdoe-me o trocadilho) aqui no Brasil - o oráculo volta a ser questionado com padrões próprios da religião. Estudar Tarot não é barato não. E não há Dom no mundo que faça de um sensitivo um bom cartomante sem estudo e sem vivência do oráculo. E ele merece receber por isso, dentro de suas expectativas. Se for dinheiro, que seja. Se não, que seja; mas que jamais este profissional, sendo sério, se sinta usado "por caridade".

    ResponderExcluir
  12. Siqueira,

    obrigado por nos prestigiar e comentar, contribuindo com seu ponto de vista! Não sou psicólogo. Cobro pelo serviço oferecido, como já fiz trocas e doações de leituras. Tenho meus momentos de filantropia, de caridade e de profissionalismo, mesmo sendo apenas um Taromante diletante.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  13. Emanuel,

    ainda existe muito vestígio da velha culpa religiosa, procuro conciliar algumas visões e creio que o artigo traduz boa parte dos prós e contras do cobrar ou não (ou como fazê-lo: sobretudo com amor e comprometimento), obrigado pela pela sua contribuição.

    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  14. Creio que entre todos os que praticam a nossa profissão, sempre existe quem assume a coragem de através de um pequeno texto, partilhar um raciocínio tão sábio. Só é pena que alguns valorizem mais a cobrança do que o bem que fazem ao próximo ajudando-o a encontrar o caminho que o ajude transpor todas as suas incertezas e até aflições. Bem haja a quem tem assim um discernimento tão saudável e verdadeiro.

    ResponderExcluir
  15. Anônimo,
    grato por nos prestigiar e comentar. Cada um cria seus tons de luzes e sombras por opção e será responsável pela colheita.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Viajante,

sugestões e críticas são bem-vindas.
Concorde ou discorde, jamais ofenda.
Leia antes nossa Política de Comentários.


Deixe registrado aqui o seu melhor!

Ahlan wa Sahlan!!