O Pendurado

O Penduradoimagem: Le Tarot des Imagiers du Moyen-Âge - Oswald Wirth - Editions de L'aigle

Viajante, há na estrutura dos Arcanos Maiores algumas cartas que são encaradas como sombrias, desafiadoras, ruins... O Arcano XIIO Pendurado, também equivocadamente conhecido como Enforcado (?), é uma destas cartas que, ao surgirem numa tiragem, serve como alerta.

Os atributos básicos do Pendurado nos relatam utopia, impossibilidade, dificuldade em longo prazo, vitimísmo... amargura, egoísmo, negativismo, paralisia, entre tantos outros.
Aquele que estivesse vivendo um Pendurado num relacionamento, por exemplo, estaria sofrendo pela dependência afetiva do parceiro, ou na expectativa que alguém entrasse em sua vida amorosa e o fizesse feliz...

Alguém vem a uma consulta temendo uma separação, por exemplo. O nosso “olhar clínico” antes de virar as cartas já daria um indicativo de que as coisas não andam bem. O Arcano XII saindo como resultado aponta que esta separação não vai acontecer! Notaram? De certa forma, dentro da situação, o Pendurado se torna bom para os anseios do consulente... Geralmente fechamos com um conselho “Não há separação no momento, mas você tem que mudar algo no seu jeito, se deseja continuar investindo na relação”. Quem está vivenciando tal experiência não leva em conta o que o outro está pensando e se haverá futuro promissor na relação.

São sutis estes detalhes para o consulente, que não aceita a situação e aquilo o que pensa e sente o outro. Nem mesmo que esteja vivendo uma situação equivocada. A beleza que entendo no Tarô, no entanto é que por mais sombria que seja uma situação, ele tem e fornece uma saída. E que esta depende muito mais do consulente, às vezes, reconhecer que seria hora de largar o osso. Um Pendurado aceitaria de bom grado assim tal conselho ou presságio?

Conto de Fadas

O taromante é procurado quando algo está “fechado”, a vida ou o consulente, mas no exemplo acima, como resultado, certamente trará o consolo momentâneo de que a relação não irá definitivamente se romper, mesmo que já esteja na UTI e que não se traduza em médio prazo em felicidade (nem a longo). Aceitem uns ou não, o Pendurado é a dor da ilusão.

Em muitos casos reside aí a maior dificuldade de mostrarmos ao consulente que tal momento necessita de mudanças de rumos, mais amplos que suas vaidades de momento.

Muito delicado quando alguém não aceita que tem de mudar, mudar e mudar… É dito que o pior cego é aquele que não quer ver, mas o que dizer do cego que só vê sua vaidade? Não é confortável no plano material, mental ou sentimental viver um Pendurado. Em estudos dizemos que não assim tão ruim no plano espiritual, pois reporta a resignação e fé, mas esta tão alardeada é outra ilusão que não se traduz em transcendência. Seria mais um comportamento do tipo orando muito e fazendo promessas”, para que o Ser Cósmico ou São Longuinho traga de volta o amor, o trabalho ou a saúde perdida.

O bom de nos aproximarmos de meios transcendentes evolutivos - mesmo querendo barganhar com o destino - é que não estaremos nos comprometendo com forças caídas e sombrias, mas há controvérsias que não entrarei no mérito neste artigo. De certo modo, temos o que criamos. A dor que faz parte da vida, só é sofrimento quando optamos em alimentar nossa utopia, confundindo sacrifício com o suplicio de pensar que tanta resignação trará a desejada recompensa.

Prisioneira

Enquanto dependermos do outro, do externo para nos fazer feliz, seremos sempre um Pendurado no patíbulo da vida.


Comentários