Tarô, bom criado e mau patrão

O Livro do Tarô 
Até que ponto se pode confiar nas cartas?

É possível confiar cegamente nas cartas? Elas nunca mentem? Naturalmente, como em todas as situações da vida, o Tarô não nos dá acesso a uma verdade objetiva, absoluta e infalível. Mas nem por isso a resposta das cartas é aleatória ou sem sentido.

A credibilidade das cartas do Tarô pode ser comparada aos conselhos de uma pessoa velha e sábia. São conselhos valiosos, que devemos levar a sério e ouvir de coração aberto. Mas vender a alma por eles, tornar-se depen­dente, sujeitar-se cegamente ou abrir mão das próprias responsabilidades seria com certeza uma atitude errada.

"O Tarô é um bom criado - mas é um mau patrão." Este é o princípio básico que de­ve nortear a prática do Tarô. Quem se vale dos conselhos das cartas tem boas chances de su­cesso. Mas submeter-se a esses conselhos e só sair de casa "quando as cartas permitem" não le­va a lugar nenhum.

O Livro do Tarô,  páginas: 12 e 13 - Hajo Banzhaf – Editora Pensamento.

Comentários

  1. Voce disse tudo, acho que o taro so faz sentido, quando queremos avaliar, buscar saidas para atitudes do dia a dia, sem com isso, esperar pelo tarot para agir.A vida e pra ser vivida, e nem tudo se entende ou explica.Abs!

    ResponderExcluir
  2. Concordo! Sempre me dei muito bem com as dicas do tarô, mas também assumi para mim todas as decisões tomadas.

    Bjão!

    ResponderExcluir
  3. @Senhordavida,

    o Tarô não faz por nós, mas através de nós.

    @NandaBotelho,

    quando dinamizamos com autoconhecimento e sinceridade o que nos é revelado pelo oráculo, penso que não temos como não nos dar bem. Nossas escolhas honestas responderão com sucessos e aprendizados.

    Obrigado pelos comentários.

    ResponderExcluir
  4. Fatalmente, o Tarot assume o papel do Cálice e do Cetro, das Ferramentas de Magia: a despeito de todo o seu potencial simbólico, só possuem real poder quando manipulados e assumidos como continuações de nós.

    ResponderExcluir
  5. @emanueljsantos,

    sim, sem o operador que é por onde o milagre uno possa se perpetuar; o meio por onde o Divino possa se manifestar, o Tarô e toda cultura magista não passaria de imagens curiosas ou meros objetos.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. E ainda, há de ter-se o cuidado de não permitir que o tarô torne-se subterfúgio não somente para não ação, mas principalmente, para ações equivocadas, pois muitas vezes o conselho de um velho sábio é fantástico, mas a imaturidade ou a falta de uma reflexão adequada pode levar a uma ação precipitada e inconsequente, apoiada em uma interpretação tendênciosa dos arcanos onde pode-se tentar fugir das próprias responsabilidades, mas que certamente terá consequências, e, sem dúvida, não por culpa de um erro do tarô... Abraço!!!

    ResponderExcluir
  7. Mântica Rhom,
    certamente não devemos usar o tarô como muletas, mas além de analisar seus sábios conselhos, buscar segui-los.

    Pessoalmente creio que os seus conselhos valem mais que os presságios!

    Grato pelo oportuno comentário!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Viajante,

sugestões e críticas são bem-vindas.
Concorde ou discorde, jamais ofenda.
Leia antes nossa Política de Comentários.


Deixe registrado aqui o seu melhor!

Ahlan wa Sahlan!!