Tarô é para quem não tem intuição

Clairvoyance
Viajante, ainda há certos dogmas e preceitos que carinhosamente chamo de vacas sagradas da transcendência, enraizadas na espiritualidade urbana. As minhas preferidas são: que espiritualista tem que ser pobre, pois matéria e dinheiro não combinam; e que não se pode cobrar por um dom, a isso inclui o não se poder cobrar por atendimentos de Tarô, por exemplo. Mas hoje vou falar um pouco sobre outra mimosa...

Ontem pela manhã no tuiter, acho que dei um susto no amigo Emanuel @Tarotetc:

Capturar2
Sim, “Tarô é para quem não tem intuição!”, pois o Tarô é estudo e prática, simples, não? A outra vaca sagrada é que esoterismo, ocultismo e tais, não são fatos que se alcançam pelas vias racionais, que não podemos misturar as coisas do intelecto com as cousas do espírito, que não podemos duvidar, apenas crer de corpo e alma, de olhos fechados e sem questionar, fazendo tudo que o mestre mandar.

Então o que Alan Kardec fez ao decodificar o espiritismo? O que fazem os cabalistas ao estudarem a Cabala? Alguém é astrólogo, mago, alquimista por intuição? (...) Nem tarólogo. Intuição é um dom natural que todos nós temos, em maior ou menor escala. Nem precisa ser místico, pois até racionalistas, materialistas, ateus e agnósticos a possuem, porém se usam ou admitem ter, são outros quinhentos.

A intuição ocorre automaticamente durante qualquer atividade do nosso dia a dia, tanto lendo tarô como lavando o carro. Alguns chamam de insight, premonição, clarividência, mas intuir não ensina a escrever mapas astrológicos ou tratados de metafísica. O praticante das cartomancias que possui sua intuição apurada, não pode só depender dela para tanto, pois a ferramenta oracular são as cartas e não a intuição, ou para que gastar tempo e dinheiro estudando?

Conheci alguns seres especiais, com dons paranormais e capacidades incríveis para clarividência, que só necessitavam estar junto a você para começar a revelar seu passado, presente e futuro com riqueza de detalhes assombrosa. Mesmo assim, não era a toda hora que isto lhes ocorria, pois o desgaste físico e energético era brutal e os pacotes de informações fluíam sem um botão de liga/desliga, não eram acessados ao bel-prazer.

No que me esmero, é não permitir que o meu intuir vire achomancia, pois isto não é tão esotérico assim, muito menos taromântico. Prefiro não deixar minha mente subjetiva influenciar na objetiva, pois sei que acabarei me distanciando dos símbolos, enveredando pelos caminhos tortuosos do ego e da mistificação. Minha intuição é para meu suporte pessoal, pois ela não é oraculista.

Quer prever, adivinhar com cartas? Estude e pratique muito (e sempre), e aprenda a lidar com sua intuição como suporte íntimo e não como um plus para seus atendimentos. Intuição não possui gradação, é experiência íntima de cada um, não é dom espiritual, é capacidade física e natural em maior ou menor escala. Intuição não é pré-requisito para nenhuma atividade mística, porém é um rótulo indispensável para mistificadores e aproveitadores da boa fé alheia.

Ou você confiaria fazer uma cirurgia com um médico que se diplomou por intuição?


Comentários

  1. Você arrasa!
    Foi como falei em um dos seus textos, que quando eu tive uma torre com o tarot, foi porque eu apenas usava a intuição para jogar, sem ter um estudo aprofundado de cartas, metodos, autores, enfim, puxava pela mente muito mais que hoje.
    concordo 100% com seu texto, a intuição é uma ferramente que todo ser humano possue, mas para que ela possa ser usada de forma correta, estudar e praticar é essencial. Grande abraço e execelente semana!

    ResponderExcluir
  2. Arierom, você é sempre uma agradável surpresa!
    Eu levei um BAITA susto de manhã quando li aquilo, ainda estava meio dormindo, acordei de um pulo como quem cai da cama!
    É o caminho contrário de tudo o que lemos na internet... E o melhor é que é embasado não só em uma formação coesa como também em uma experiência adequada do oráculo!
    Como disse em uma postagem sobre o Ás de Copas, http://migre.me/55fLN , por vezes nos pegamos em academicismos que engessam nossa visão iconográfica e simbólica. Mas, em nenhum momento, o estudo deixa de ser preponderante - só não pode ser maior que o treinamento.
    Imagine se precisássemos consultar o Supremo Livro Overpower de Todos os Significados do Tarot para lermos (como se houvesse tal livro). Seria como o médico que não pode fazer uma cirurgia específica porque nunca leu a respeito do procedimento, a despeito de ter estudado anos a fio para tornar-se cirurgião; ou o advogado que não aceitasse uma causa que não tivesse precedentes para seu estudo prévio. Da mesma forma, experienciamos o oráculo e acrescemos ao nosso rol os significados que vivenciamos, tendo por base aqueles que o estudaram antes de nós.
    Arierom, dê-me sustos quando desejar. São muito divertidos e estimulantes!
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ótimo artigo amigo João!

    Quando digo pelo facebook ou por aqui mesmo em Fortaleza que para se interpretar o Tarô a intuição é o que menos conta, poucos são os que crêem nisso, pensam que eu estou de gozação.

    Sempre tive a minha intuição bem aflorada, asim como a exercito constantemente, mas, isso nunca impactou postiva ou negativamente em minhas leituras, até porque sou muito técnico em minhas abordagens, uso de objetividade pelo simples fato de perceber o quão objetivos são os arcanos do Tarô em suas essências simbólicas.

    Fazer leitura de Tarô só pela intuição é um grande risco e as consequências disso, só Deus sabe!

    Parabéns pelo belo texto!

    Um abraço,

    Ricardo Pereira
    http://www.substractumtarot.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    Excelente texto e adorei o blog!

    Cheguei até aqui depois de ler um comentário seu no Novo na Rede e tive uma grata surpresa. Parabéns pelo conteúdo!

    Bjs da Helena

    ResponderExcluir
  5. Falou e disse. Só intuição não basta.

    ResponderExcluir
  6. Senhor da Vida, a intuição se manifesta de muitas formas, cada um tem como a empregar, estudar e praticar Tarô, pode ser até mesmo para quem não tem intuição, ou não conheça o limite da mesma. Obrigado My Lord!

    Emanuel, creio que o Tarô em si é um manual, o “Supremo Livro Overpower de Todos os Significados do Tarot” está contido nele mesmo.

    Estamos aqui, pois muitos abriram caminhos e, nós estamos dando continuidade a esta obra. #bloguemos! Aguarde novos sustos! O crédito da citação é para nosso companheiro “Tarologista” Claudiney Pietro. Achei genial!

    Ricardo, também prefiro a objetividade, pois com ela, errando ou acertando, sei que sou o responsável, pois conheço os limites. Não devemos abandonar nossas sensibilidades, mas são poucos os que sabem aplicar o intuir numa consulta.

    Quando tenho um insight durante um atendimento, prefiro confirmar com o próprio Tarô e sendo pertinente, aplico como conselho. Prefiro não me guiar pela subjetividade, anoto e espero um feedback do consulente, caso eu dê o tal conselho... “pelo simples fato de perceber o quão objetivos são os arcanos do Tarô em suas essências simbólicas”. Perfeito amigo! Forte abraço reikiado!

    Tarô é Luz, obrigado pelo carinho de seu prestígio!

    Helena, que bom que apreciou! Obrigado por deixar seu comentário e volte sempre!

    Vanda, podemos contar com ela para nosso autoconhecimento, mas Tarô é tão simples, não? Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  7. parabéns pelo magnífico artigo Arieron,artigo que esclarece muito,principalmente para aqueles que só depende da intuição para interpretar as lâminas do tarô.abração,paz e luz.

    ResponderExcluir
  8. Mansur, mesmo quem possui a intuição bem aflorada, se somar o estudo, terá melhores resultados, mas intuição não é pré-requesito. Forte abraço!

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante. E até concordo de certa forma. Acho que a intuição é válida, mas deve ser domesticada e limitada. Se isso acontecesse, não seria com dificuldade que nossos desejos intervissem em nossas interpretações. E é uma pena quando isso acontece.

    Boas reflexões!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Diannus do Nemi, a voz silente da intuição não deve ser dispensada em nosso cotidiano, porém para uma leitura, creio que devemos ser simples e objetivos para não confundir a nós mesmos e o consulente. Obrigado por nos prestigiar e comentar.

    ResponderExcluir
  11. Arierom,
    mais um texto primoroso e pertinente...
    Uma coisa não invalida a outra...
    Intuição todos temos, e esta mesma intuição com um bom embasamento simbólico, construção perfeita...
    Sem viagens e devaneios...
    A minha intuição é também para meu suporte pessoal...
    Grato por nos brindar com mais um brilhante texto...
    Paz e Luz

    ResponderExcluir
  12. Luiz Costa, penso que devemos fazer o mais simples se temos o intuito de servir, aprimorando nosso estudo e nossa prática oracular.
    Obrigado pelo prestígio e por comentar. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  13. Eu costumo dizer que quem sabe das coisas (tem o tal "acesso direto") nem precisa de cartas... Pode usar bolinhas de gude, tampinha de refrigerante, palitos de dente...rs

    Creio que o que o tarot faz é nos dar um certo suporte, até para tirar a questão pessoal do processo. Quando temos uma técnica, não ficamos com medo de estarmos "atravessando" a intuição pura, a conexão com o Conhecimento, com a opinião de nossa personalidade.

    Valeu pela sua ousadia em levantar tal tema! ;-)

    beijo!

    ResponderExcluir
  14. Cacau Gonçalves , certamente! O tarô é uma ferramenta que carece de estudo e técnica. Obrigado pelo prestígio e comentário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Viajante,

sugestões e críticas são bem-vindas.
Concorde ou discorde, jamais ofenda.
Leia antes nossa Política de Comentários.


Deixe registrado aqui o seu melhor!

Ahlan wa Sahlan!!